Imperial

Oposição rebate governo e diz que não há mais de 260 votos por reforma

Onyx estimou 330 votos favoráveis.

Líderes de partidos de oposição afirmaram nesta segunda-feira (8) que o governo não conta com mais de 260 votos para aprovar a reforma da Previdência no plenário da Câmara dos Deputados. Para que o texto siga para o Senado é preciso que, no mínimo, 308 deputados sejam favoráveis. O presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), prometeu começar a votação nesta semana.

Na nossa avaliação eles não têm hoje mais de 260 votos. Nós mapeamos, estamos mapeando todas as bancadas e todos os partidos e nós temos hoje no nosso mapeamento uma posição ainda muito favorável à não aprovação da reforma”, disse a líder da minoria, Jandira Feghali (PCdoB-RJ).

A estratégia definida pelos congressistas contrários à PEC (Proposta de Emenda à Constituição) é trabalhar para conseguir votos de deputados dissidentes de outros partidos, além de obstruir a pauta para impedir que se possa completar o processo ainda no primeiro semestre.

(Faremos) o que nós já temos feito. Obstrução e trabalhando por dentro das bancadas para ganhar os dissidentes e não deixar votar”, completou a líder.

Para isso, contudo, será preciso reverter uma vitória sólida do governo na comissão especial, onde obteve 36 votos favoráveis ante 13 contrários à medida. Além disso, a base do governo conseguiu barrar mudanças no texto que previam regras mais leves para policiais e professores.

O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM-RS), chegou a estimar no domingo que já há 330 votos em favor da proposta. Maia, por sua vez, afirmou que é preciso esperar o primeiro turno de votação para saber como se dará a votação. Seria uma espécie de termômetro. O presidente da Casa disse estar confiante em relação ao resultado“Vai surpreender a todos”.

Poder360