Imperial

MPPB realiza reunião sobre implantação da coleta seletiva em Mataraca

O evento faz parte do projeto 'Fim dos lixões', que vem sendo desenvolvido pelo MPPB com os municípios paraibanos.

O Ministério Público da Paraíba realizou, na última quarta-feira (10/07), uma reunião técnica no município de Mataraca sobre a implantação da coleta seletiva de resíduos sólidos. O evento faz parte do projeto ‘Fim dos lixões’, que vem sendo desenvolvido pelo MPPB com os municípios paraibanos.

A reunião foi realizada no Centro de Convivência do município e teve a participação dos promotores de Justiça Raniere Dantas (coordenador do Centro de Apoio Operacional às Promotorias do Meio Ambiente) e José Farias (titular da área de Meio Ambiente de João Pessoa). Participaram ainda o prefeito de Mataraca, Egberto Madruga, secretários, agentes comunitários de saúde, professores, catadores e autoridades religiosas locais.

Mataraca foi um dos 68 municípios que assinaram o acordo de não-persecução penal proposto pelo MPPB, comprometendo-se a acabar com os lixões existentes em suas cidades no prazo de 365 dias (a contar da assinatura do acordo) e o termo de ajustamento de conduta para recuperação da área.

Segundo o promotor Raniere Dantas, a reunião teve como objetivo orientar a população sobre a forma adequada de separar os resíduos sólidos para a coleta seletiva. O objetivo é estimular ações de educação com a população para a separação do lixo produzido, em três tipos: orgânico (lixo da cozinha), reciclável (plástico, papel, alumínio e outros) e o rejeito (lixo do banheiro).

Durante a reunião, o prefeito e equipe técnica da prefeitura apresentaram o projeto de construção de uma unidade de gerenciamento integrado de resíduos sólidos, que deve resolver o problema do lixão no município (confira abaixo o vídeo do projeto abaixo).

Vídeo da Unidade de Gerenciamento

Passo a passo do projeto

1. Educar a população para a separação do lixo produzido em três tipos: orgânico (lixo da cozinha), reciclável (plástico, papel, alumínio e outros) e o rejeito (lixo do banheiro).

2. Prefeitura deve adequar o sistema de coleta seletiva para evitar que o trabalho da população seja inutilizado com a mistura do lixo em caminhão compactador, por exemplo.

3. Construir unidade de tratamento de resíduos, onde o lixo será separado e vendido; feita a compostagem do material orgânico e o descarte correto do rejeito.