Imperial

Galdino defende o direito de Ricardo de discordar das correntes contrárias no PSB

No entanto, presidente da ALPB afirmou que a solução para a crise passa por gesto de desprendimento e reconhecimento de erro por parte do ex-governador.

No olho do furacão da crise político-partidária envolvendo o comando do PSB na Paraíba, o presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), deputado Adriano Galdino (PSB), importante liderança do partido nesse contexto, revelou que inexiste qualquer tipo de mágoa com o ex-governador Ricardo Coutinho (PSB), nomeado presidente da Comissão Provisória que vai gerir a legenda, e apontado como principal causador da celeuma socialista no Estado.

Adriano Galdino disse que, apesar de discordar, defende o direito do ex-governador fazer críticas ao movimento contrário à forma como ele assumiu o comando do partido no Estado, quando o ex-presidente da legenda, Edvaldo Rosas, foi destituído do mandato pela Executiva Nacional, após manobra promovida por diversos diretorianos que pediram renúncia dos respectivos cargos.

“O [ex-]governador tem todo o direito de fazer suas análises, suas conjecturas, estou tranquilo, não existe absolutamente nada. Eu tenho dito sempre que sou um dos poucos companheiros de Ricardo Coutinho que não tem nenhuma mágoa dele. Na hora que ele quis fazer a primeira, eu chamei a atenção e disse ‘Opa, companheiro aí não, eu não aceito e tal’, então de lá para cá tivemos uma convivência respeitosa, ele respeitando meus limites e eu respeitando o dele. Não tenho mágoa nenhuma. Ele foi importante em alguns momentos da minha caminhada. Eu também o ajudei bastante”, frisou Galdino.

RECONHECIMENTO DO ERRO

O deputado Adriano Galdino (PSB) ainda propôs a Ricardo Coutinho uma forma de tentar selar a paz no diretório estadual do Partido Socialista Brasileiro (PSB). De acordo com o parlamentar, somente o gesto de desprendimento, sobretudo, por parte do ex-governador Ricardo Coutinho, é que poderá solucionar a celeuma criada no ninho girassol.

“É preciso o diálogo. Primeiro, Ricardo precisa entender que errou. A maneira como ele se colocou para chegar na presidência foi errada. Ele tem que reconhecer o erro, assumi-lo e procurar o governador [João Azevêdo] para buscar um entendimento. Acho que é por aí”, comentou.

Wscom